JONES DARK O NEGRÃO SORRISO

Loading...

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

SOJA CONVENCIONAL X TRANSGÊNICA

SOJA CONVENCIONAL X SOJA TRANSGÊNIA

Custo operacional médio da soja convencional é menor que a transgênica

Na safra 2008/09, o controle de plantas invasoras no sistema de produção convencional foi mais competitivo em relação à soja GM (geneticamente modificada) nas principais regiões produtoras de soja do Brasil.
Pesquisas do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, com o apoio da CNA, mostram que a diferença média do custo de tratamento entre a tecnologia transgênica e a convencional foi de 23% naquela safra. Já na temporada 2009/10, a situação se inverteu. A diferença do custo do tratamento ficou 108,5% menor para a soja GM em relação à convencional.

Tal situação resulta do comportamento distinto dos preços dos principais herbicidas utilizados no controle de plantas daninhas em 2009, explicam pesquisadores do Cepea. Entre abril e agosto, período de concentração das compras de defensivos, o preço do glifosato caiu 40% na média de todas as regiões pesquisadas pelo Cepea o clorimuron recuou 17,5% e o lactofen, 7,7%.

Já herbicidas para o controle de folhas estreitas, como haloxifop-p-metil e cletodim, registraram altas de 11,9% e 12,1%, respectivamente para o mesmo período de análise, neutralizando em parte a queda dos herbicidas utilizados na primeira pulverização pós-emergente no sistema convencional.

Com isso, o custo por hectare para o controle de plantas daninhas na safra 2009/10 torna-se favorável à soja transgênica - em relação à convencional. Entre as regiões avaliadas pelo Cepea, Cascavel (PR) teve a maior diferença, com o custo do controle de plantas daninhas por hectare sendo 176% maior no sistema convencional que no transgênico.

Em seguida, aparece Dourados (MS), onde o controle de invasoras na soja convencional custou 121,6% a mais em Rondonópolis (MT), o convencional custou 104,8% a mais em Rio Verde (GO), 88,9% em Luís Eduardo Magalhães (BA), 85,4% e, em Sorriso (MT) campeão brasileiro em produção de soja, 76%.

Contudo, ao considerar o pagamento do royalty na comercialização do grão, a vantagem do custo operacional da soja geneticamente modificada é praticamente anulada. Considerando, por exemplo, o preço médio dos insumos entre abril e agosto de 2009, em Cascavel (PR) o custo operacional médio da soja transgênica seria de R$ 1.196,27/ha e da convencional, R$ 1.141,90/ha, pequena vantagem de 4,8% para soja convencional, conforme cálculos do Cepea.

Em Sorriso, o custo operacional médio da soja transgênica foi de R$ 1.220,26/ha e, da convencional, de R$ 1.132,82/ha, vantagem de 6,1% para a convencional sobre a transgênica.

Portanto, a expressiva queda do glifosato na safra 2009/10 não foi suficiente para reduzir o custo operacional da soja transgênica. Mesmo com vantagem econômica para a convencional, a maior parte dos produtores optou por semear soja geneticamente modificada, baseados nas vantagens agronômicas que a tecnologia oferece, tais como: maior janela de controle de plantas daninhas pós-emergente, colheita no limpo, rotação de herbicidas e redução de plantas daninhas que são mais difíceis de serem controladas com clorimuron e lactofen.


http://www.expressomt.com.br

2 comentários:

  1. MUITO LEGAL!! NÃO SABIA A DIFENÇA.
    BJO
    JOSÉ ALBERTO
    PARANAVAI

    ResponderExcluir
  2. JA SEI QUANDO TEM NOVIDADES AQUI É SEMPRE BOAS. OBRIGADO PELA MATÉRIA.
    PABLO
    SÃO JOÃO

    ResponderExcluir

DEIXE SEU COMENTÁRIO ELE É MUITO IMPORTANTE!!!
UM GRANDE ABRAÇO DE JONES DARK O NEGRÃO SORRISO!